28 maio 2017

Resenha: A Bela e a Fera


Título: A Bela e a Fera
Autora: Elizabeth Rudnick
Editora: Universo dos Livros
Gênero: Fantasia | Romance
Ano: 2017
Páginas: 204
Resenha postada originalmente no blog Clã dos Livros.

Era uma vez...
Um príncipe egoísta e superficial que foi amaldiçoado a se tornar uma fera até que encontrasse alguém que o amasse além das aparências.

Era uma vez...
Uma bela moça que só queria estar em um lugar que fosse compreendida, que estava em busca de algo mais.
E o improvável aconteceu... O caminho da Bela acabou cruzando com o da Fera.

Sentimentos são fáceis de mudar...


É tão difícil falar de uma história que provavelmente todo mundo já conhece, mas eu vou tentar rsrs.
“(...) A presença do príncipe era mais grandiosa que o próprio salão, sua aparência era a mais bela e sua frieza era mais congelante que o vento e a chuva que uivavam lá fora.”
Era para ser só um grandioso e inesquecível baile, onde o príncipe, o anfitrião, seria o centro das atenções, mas tudo muda quando uma senhora mal vestida, uma pedinte, aparece sem ser convidada, arruinando toda a grandiosidade e beleza de seu baile. É claro que o príncipe com toda a sua arrogância não concordaria que a pedinte permanecesse em seu castelo, e é então que o improvável acontece: ele acabou sendo amaldiçoado pela senhora que na verdade era uma feiticeira. O belo príncipe se transformou em uma fera horrível, e com a maldição seus criados se tornaram objetos falantes.

A maldição poderia ser quebrada, mas para isso o príncipe precisaria aprender a amar e ser amado, mas o seu tempo está passando, e caso ele não consiga quebrar a maldição até a última pétala de rosa que a feiticeira lhe deu cair, ele e todos que viviam no castelo, estariam condenados para sempre.

Bela é uma moça simples que sempre amou o mundo dos livros. Só que ela deseja algo mais e sabe que não vai encontrar isso em Villeneuve, onde as pessoas sempre cochichavam sobre ela e a achavam estranha por gostar de leitura. Na época as mulheres não sabiam e não eram influenciadas a ler. E é por saber que ali não era seu lugar, que ela acabou recusando as investidas de Gaston, o cara que gostava de ser o centro das atenções e também de se gabar por seus feitos.

Bela vivia com seu pai Maurice em um chalé. Maurice fabricava caixinhas de música, e em uma das suas viagens para vender seu trabalho, ele acaba não retornando; somente Philippe, seu cavalo, retorna para casa. Bela fica muito preocupada, pois sabia que algo de ruim havia acontecido com seu pai e em um momento de desespero, acaba indo atrás dele.

Philppe leva Bela até um grande castelo, onde seu pai se tornou prisioneiro. E adivinhem... Maurice havia sido trancafiado pela fera por ter roubado uma rosa, e Bela se oferece para ficar no lugar de seu pai, mesmo não sabendo quem de fato era seu aprisionador.

“[...] A palavra fera veio a sua mente enquanto ela à encarava. A criatura parecia ter saído de um pesadelo: o monstro à espreita dos contos de fadas que ela lera na infância.”

E é assim que o caminho de Bela cruzou com o da Fera. Bela era um prisioneira e quem sabe, a última chance para quebrar a maldição que envolvia o castelo e todos que viviam nele. Mas seria possível ela se apaixonar pela fera que na maior parte do tempo era abominável? Seria ele no fundo um bom príncipe?

“– O mestre não é tão terrível quanto parece. – disse ela ao fim. – Em algum lugar no fundo de sua alma, há um verdadeiro príncipe, esperando ser liberto.”

Esta é a minha história preferida da Disney. Amo o desfecho! E amo a mensagem que o livro passa: de que se quisermos enxergar as pessoas de verdade, devemos olhar muito além das aparências.

A Bela e a Fera são personagens que sempre vão ter um lugar especial em meu coração; é impossível concluir a leitura e não amar os dois. Foi incrível ver a devoção, fé e esperança que todos do castelo tinham para com seu mestre; então, sim, os personagens secundários são de suma importância para o desfecho da história.

A Bela e a Fera não é apenas um livro sobre um fera que precisa encontrar o amor verdadeiro, é um livro sobre amizade, perdão, redenção e companheirismo. Um livro lindo e que acredito que todos deveriam conhecer e ler em algum momento da vida.

“[...] Enquanto olhava para ele, ela sentiu seu coração se partir. Contra todas as probabilidades, a Fera havia lhe mostrado a verdadeira beleza. Ele lhe mostrara que tudo bem ser diferente. Mostrara que não havia problema em se sentir perdida e a fizera perceber o quão desesperadamente ela queria ser encontrada. Ela tinha aprendido que as coisas não são sempre como parecem, que pessoas podem surpreender...”
Esta edição é a oficial do filme e achei maravilhoso que a Universo dos Livros tenha escolhido essa cena especifica para a capa, já que é uma das mais lindas da história. O livro é todo narrado em terceira pessoa, facilitando a imaginação no quesito cenário. Além da capa maravilhosa (*-*), a lombada e miolo estão bem bonitinhos.
Amei e recomendo!




Comente com o Facebook:

1 comentário :

A Culpa é dos Leitores - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados