04 junho 2017

Resenha: Sedução da Seda

Título: Sedução da Seda - As Modistas #1
Autora: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 304

Quem acompanha o blog sabe do meu amor pelos romances de época, então imaginem a minha alegria quando Sedução da Seda chegou. Iniciei a leitura o mais rápido que pude e conforme eu ia lendo fiquei tão encantada que acabei devorando o livro, pois ele tem todos ingredientes que mais amo nas histórias: amor, tensão, humor e uma pitada de erotismo.

Marcelline se diz ser a melhor modista. Seu auto ego é justificável já que ela cria os mais lindos vestidos. Mas mesmo com o talento e dedicação dela e de suas duas irmãs, o ateliê delas não era muito reconhecido entre as damas de Londres. E é pensando em ter o reconhecimento que elas merecem, que Marcelline acaba elaborando um plano.

O plano consiste basicamente em ter a futura duquesa de Clevedon, a Lady Clara Fairfax, como cliente. Pois se suas criações vestissem Clara, com certeza atrairia muitas outras clientes. Mas para conseguir chegar até Clara, Marcelline terá que, primeiramente, convencer o duque que ela é a modista certa para vestir sua futura esposa. E com o plano elaborado, ela acaba viajando para Paris para encontrar com o duque.

Clevedon fica completamente fascinado ao conhecer Marcelline. Ela é fabulosa, mas ele acaba se surpreendendo ao saber que o encontro deles não foi algo por acaso, mas sim, proposital. Ele fica furioso ao saber os reais motivos que o levou a conhecer, a ardilosa e audaciosa, Marcelline.
“Ele era um homem grande e poderoso.
Ele era um duque inglês, uma espécie conhecida por sua tendência a esmigalhar qualquer coisa pequenina que a perturbe. Sua postura e expressão teriam deixado um ser humano apavorado.
Marcelline não era um ser humano comum.”           
“Ela era incorrigível. Era a mulher mais insensível, calculista, irritante...
E ele era um cãozinho, porque ainda a queria.”

Mas Marcelline já conseguiu a atenção do duque, e entre uma aposta e outra, Clevendon se vê cada vez mais atraído por ela. E o sentimento é recíproco, mas Marcelline sabe que não pode misturar as coisas, ainda mais quando o que ela mais almeja é ter a futura duquesa como uma das suas clientes. Mas o tiro acabou saindo pela culatra, e eles acabam não resistindo a forte atração que sentem um pelo outro. 
“Quando olhou para baixo e seus olhares se encontraram, certo e errado perderam o sentido. Eram da mesma espécie e os semelhantes se atraem. Ele a desejava. E ela, que conseguia lê-lo sem dificuldades, havia dito uma verdade incisiva após a outra.
Sim, ele continuaria a desejá-la até conseguir tê-la. Então, se tudo fosse consumado, ele poderia se libertar dela.”
E os dois tontinhos acreditavam que apenas uma vez seria o bastante, ledo engano, porque quanto mais tempo eles passavam na presença um do outro, mais se queriam e se desejavam. Mas eles não poderiam se envolver mais porque do envolvimento deles só poderia resultar em mexericos, na difamação de Macelline e no sofrimento de Clara, pois entre eles havia uma noiva, a diferença da classe social e um passado familiar.
“Ele se esqueceria de tudo isso, da mesma maneira que se esqueceria dessa noite. As lembranças permaneceriam por algum tempo, mas acabariam por perder importância. A dor que senti agora, a frustração, a raiva e a dor – tudo isso também desapareceria.
Ela lhe dera uma noite da qual se lembrar, mas é claro que ele se esqueceria.”

Ahhhhh, suspiros sem fim por esse livro e pelos personagens
Que história apaixonante! Estou encantada!
Vou ter que confessar que Marcelline e Clevendon me conquistaram!

Marcelline é a típica personagem que é cheia de si e não esconde suas qualidades e talento de ninguém. É superprotetora e preocupada com sua família. Ela é muito racional, pois apesar de ter se apaixonado perdidamente por Clevendon, ela sabe que um futuro entre eles não seria possível, ainda mais com a atual situação dele: praticamente noivo da mulher que amou desde criança.

Já Clevendon é apaixonante e protetor também! Mesmo a gente sabendo que o que ele faz não é certo, que sua alma libertina só poderá causar problemas, não tem como não amar ele. O duque é extremamente doce, fofo, sexy, lindo, e eu já disse apaixonante? Estou gamada nele :P

Adorei os personagens secundários, principalmente a espertinha da Lucie ou seria Erroll? :D

Amei, amei, amei!
E acredito que o que mais me faz amar os romances de época é que na maioria das vezes não há um vilão (na verdade, o maior vilão nessas histórias são os personagens principais com seus desejos desenfreados rsrs).  Mas não ter vilões não quer dizer que a história não terá seus altos e baixos, pelo contrário, há obstáculos pelo percurso, contratempos, e eles, na maioria das vezes, tem que abrir mão de algo, ou passar por cima de alguma “regra” da sociedade. E para mim é o que torna os romances de época tão especiais, porque não odiamos os personagens e ficamos havidos pela história de todos eles. Sem contar que nos momentos de tensão sempre ficamos com o coração apertadinho e angustiado.

Sedução da Seda entrou para a lista de queridinhos!
E eu não poderia terminar essa resenha sem antes dizer que: a capa é maravilhosa, a diagramação está perfeita e que VOCÊS PRECISAM CONHECER MARCELLINE E CLEVENDON! 

Comente com o Facebook:

Sem comentários :

Enviar um comentário

A Culpa é dos Leitores - Copyright © 2016 - Todos os Direitos Reservados